BÍBLIA COMENTADA NO WHATSAPP!



Se você quer receber versículos no seu WhatsApp,
basta enviar uma mensagem pelo Whats para:



+55 11 97554 4484


É simples, prático e muito fácil estar
em contato com a Palavra de Deus!



Um Serviço adWhats



 Efésios - Cap.: 1

123456
1 - Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus, aos cristãos de Éfeso e aos que crêem em Jesus Cristo.
    1. Pela vontade de Deus - não por qualquer mérito meu. Para os santos que estão em Éfeso - E em todos os lugares adjacentes. Para esta carta não é dirigida apenas aos Efésios, mas igualmente a todas as outras igrejas da Ásia.
2 - A vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e da parte do Senhor Jesus Cristo!
3 - Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que do alto do céu nos abençoou com toda a bênção espiritual em Cristo,
    1:3-14 Uma frase longa em grego, esta é uma expansão do louvor condensado do propósito de Deus em Rom. 8: 28-30. Elogio vai para o Pai, que elege (vv. 4-6), o Filho que redime (vv. 7-12), e do Espírito que os selos (vv. 13, 14). Paulo reflete sobre a eleição dos crentes desde a eternidade, o seu perdão, no presente, e sua herança no futuro. Peça toda é a repetição das frases "em Cristo" ou "nele", referindo-se à união íntima Deus estabeleceu entre Cristo eo Seu povo.
    1:3 em lugares celestiais. Dois dos outros cinco casos em que essa frase aparece em Efésios tem uma influência sobre o seu significado aqui. Cristo ressuscitou dentre os mortos e sentado à direita do Pai "nos lugares celestiais", de onde Ele governa "todas as coisas para [por causa] da igreja" (v. 22). Além disso, os crentes também foram levantados e sentados com Ele "nos lugares celestiais" (2:6). A vitória de Cristo sobre a morte venceu crentes uma série de benefícios para os quais Paul abençoa o padre.
    3. Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou - Deuses é a sua bênção nos dando todas as bênçãos espirituais e celestiais sobre nós. Nossa bênção de Deus é a pagar-lhe os nossos agradecimentos solene e grato, tanto por conta de seu próprio bem-aventurança essencial, e das bênçãos que Ele nos concede. Ele é o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, como homem e Mediador: ele é seu pai, principalmente, no que diz respeito à sua natureza divina, como o seu Filho unigênito, e, subsidiariamente, no que diz respeito à sua natureza humana, como é que pessoalmente unido com o divino. Com todas as bênçãos espirituais nas coisas celestiais - com toda sorte de bênçãos espirituais, que são celestiais em sua natureza, original, e da tendência, e deverá estar concluído no céu: muito diferente dos privilégios externos dos judeus, e as bênçãos terrenas que esperavam do Messias.
4 - e nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, diante de seus olhos.
    1:4 Ele nos escolheu nEle. Veja "eleição e reprovação" em Rom. 9:18. Paulo se alegra de que Deus escolhe as pessoas para um relacionamento com Ele (Rm 8:29-33; 9:6-26, 11:5, 7, 28; Eleição e eleição e reprovação para "eleger" significa selecionar ou escolher. Segundo a Bíblia, Deus escolheu antes da criação da raça humana daqueles a quem Ele iria redimir, justificam, santificar e glorificar a Jesus Cristo (Rm 8:28-39, Ef. 1:3-14; 2 Tessalonicenses. 2:13 , 14; 2 Tm. 1:9, 10). A escolha divina é uma expressão da graça livre e soberana. Não é merecido por qualquer coisa para aqueles que são escolhidos. Deus deve pecadores nenhuma mercê de qualquer tipo, a condenação só, assim é uma maravilha que Ele deve escolher para salvar qualquer um de nós. Como toda verdade sobre Deus, a doutrina da eleição envolve mistério, e que por vezes desperta polêmica. Mas na Escritura é uma doutrina pastoral, ajudar os cristãos a ver como é grande a graça que os salva, e movê-los a responder com humildade, confiança e louvor. Nós não sabemos o que os outros Deus escolheu entre aqueles que ainda não crêem, nem por isso que Ele nos escolheu em particular. Nós sabemos que nós acreditamos agora só porque fomos escolhidos, e sabemos que, como crentes, podemos confiar em Deus para terminar o bom trabalho que começou (1 Coríntios. 1:8, 9; Phil. 1:6; 1 Tessalonicenses. 5:23, 24; 2 Tm. 1:12, 4:18). Por estas razões, o conhecimento da eleição é uma fonte de gratidão e confiança. Pedro nos diz que devemos ser "diligente para fazer [nosso] chamada e eleição" (2 Pd 1. : 10)-ou seja, certas para nós. eleitoral é conhecida por seus frutos. Paulo sabia que os tessalonicenses tinham sido escolhidos porque viu sua fé, esperança e amor, a transformação de suas vidas provocada pelo evangelho (1 Ts . 1:3-6).
    4. Como também nos elegeu - Ambos os judeus e gentios, a quem conheceu como crer em Cristo, 1 Pet. i, 2.
5 - No seu amor nos predestinou para sermos adotados como filhos seus por Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua livre vontade,
    5. E nos predestinou para a adoção de filhos - Tendo preordenado que todos acreditavam que depois deve apreciar a dignidade de serem filhos de Deus, e co-herdeiros com Cristo. De acordo com o beneplácito de sua vontade - de acordo com o seu livre, o objectivo, fixado inalterável para conferir esta bênção a todos aqueles que cressem em Cristo, e só esses.
6 - para fazer resplandecer a sua maravilhosa graça, que nos foi concedida por ele no Bem-amado.
    1:6 A idéia do amor onipotente de Deus leva a uma torrente de elogios extravagantes (vv. 12, 14) a Deus, que tem não apenas o poder, mas a vontade de superar todos os obstáculos para trazer os mortos espiritualmente em relação viva com Ele (expandido em 2:1-10).
    < b >grace ... accepted in the Beloved.... This recalls the language of Col. 1:13, but also brings into view the Redeemer as Himself an object of God's electing love (1 Pet. 1:18-21" onmouseout="this.style.backgroundColor='#fff'">>> graça ... aceitos no Amado. Isso lembra a linguagem do Col. 1:13, mas também traz para ver o Redentor, como o próprio objeto de amor a eleição de Deus (1 Ped. 1:18-21 ; Ap 13:8). A linguagem da graça domina vv. 6-8.
    6. Para o louvor da glória de sua graça - Seu amor glorioso livre, sem qualquer deserto da nossa parte.
7 - Nesse Filho, pelo seu sangue, temos a Redenção, a remissão dos pecados, segundo as riquezas da sua graça
    1:7 Veja as notas Col. 1:14; 2 : 13. Deus Saving Grace (1:7)
    7. Por que nós - os que crêem. Have - A partir do momento em que acreditamos. Resgate - A partir da culpa e do poder do pecado. Através de seu sangue - pelo que ele fez e sofreu por nós. De acordo com as riquezas da sua graça - De acordo com os derrames abundantes de sua livre misericórdia e favor.
8 - que derramou profusamente sobre nós, em torrentes de sabedoria e de prudência.
    8. Em toda a sabedoria - manifestada por Deus em todo o esquema da nossa salvação. E prudência - Qual é operou em nós, para que possamos conhecer e fazer tudo a sua vontade agradável e perfeita.
9 - Ele nos manifestou o misterioso desígnio de sua vontade, que em sua benevolência formara desde sempre,
    9. Tendo feito conhecido a nós - por sua palavra e pelo seu Espírito. O mistério da sua vontade - O regime de graça da salvação pela fé, que depende de sua vontade soberana sozinho. Isto foi descoberto, mas obscuramente nos termos da lei; agora está totalmente escondido dos incrédulos, e tem alturas e profundidades que ultrapassam todos os conhecimentos até de verdadeiros crentes.
10 - para realizá-lo na plenitude dos tempos - desígnio de reunir em Cristo todas as coisas, as que estão nos céus e as que estão na terra.
    10. Que, na dispensação da plenitude dos tempos - Nesta última administração dos Deuses maior graça, que teve lugar quando o tempo determinado foi plenamente alcançado. Ele pode reunir em um só em Cristo - Might recapitular, re-unir, e colocar em ordem novamente sob Cristo, seu cabeça comum. Todas as coisas que estão no céu e na terra - Todos os anjos e os homens, vivos ou mortos, no Senhor.
11 - Nele é que fomos escolhidos, predestinados segundo o desígnio daquele que tudo realiza por um ato deliberado de sua vontade,
    1:11 todas as coisas ... a Sua vontade. A mera declaração sobre a extensão da vontade de Deus.
    11. Através dos quais nós - judeus. Também obtivemos uma herança - A herança gloriosa da Canaã celestial, para que, quando os crentes, nós fomos predestinados conforme o propósito daquele que faz todas as coisas segundo o conselho da sua própria vontade - O decreto imutável, Aquele que crê será ser entregues, "que não é uma vontade arbitrária, mas decorrente da retidão de sua natureza, então, o que haveria de segurança que seria a sua vontade de manter a sua palavra, mesmo com o eleito?
12 - para servirmos à celebração de sua glória, nós que desde o começo voltamos nossas esperanças para Cristo.
    12. Que nós - os judeus. Quem primeiro acreditou - Antes de os gentios. Então fiz alguns deles em todo lugar. Aqui é outro ramo da predestinação verdadeiro evangelho: ele acredita que não é apenas eleição para a salvação, (se ele perseverar até o fim), mas se fore-nomeados por Deus para andar em santidade, para o louvor da sua glória.
13 - Nele também vós, depois de terdes ouvido a palavra da verdade, o Evangelho de vossa salvação no qual tendes crido, fostes selados com o Espírito Santo que fora prometido,
    1:13 selado. Como a impressão indelével feita por um anel de sinete do rei, o Espírito Santo é uma marca dentro da propriedade de Deus para o Seu povo. Veja " Salvação "em Atos 4:12.
    do Espírito Santo da promessa. Como Jesus diz em Lucas 24:49, o Espírito Santo é a promessa do Pai . Notavelmente, esta promessa é estendida aos gentios, assim como os judeus, em função da sua confiança em Cristo (Ez 36:26, 27; Joel Atos 2:28, João 14-16; 1:4, 5, 2: 33, 38, 39; Gal. 3:14; 4:6). Salvação O tema central do evangelho cristão é a salvação. O evangelho proclama que, como Deus salvou Israel do Egito e do salmista da morte (Êxodo 15:2 ; Ps. 116:6), Ele salvará todos os que confiam em Cristo, do pecado e suas conseqüências. Este salvação do pecado e da morte é totalmente obra de Deus. "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé, e isto não vem de vós; é dom de Deus "(Ef 2:8)." A salvação é o Senhor "(Jon. 2:9). A palavra hebraica que expressa a ideia de salvação no Antigo Testamento tem o sentido geral do livramento de perigo físico ou sofrimento moral (Sl. 85:8, 9; É. 62:11). Nessas passagens da Septuaginta (a tradução grega do Antigo Testamento) usa palavras gregas que significam para salvar da morte ou perigo, bem como a preservar ou curar. passagens do Novo Testamento que falam de salvação usar todas essas idéias para explicar os atos de Deus em favor dos perdidos. Salvation entrega o crente da ira de Deus, o domínio do pecado, eo poder da morte (Romanos 1:18, 3:9, 5:21, 1 Tessalonicenses. 5:9). Deus liberta os pecadores de a condição natural de ser dominado pelo mundo, a carne eo diabo (João 8:23, 24; Rom. 8:7, 8; 1 João 5:19). Ele liberta os crentes da teme que gera uma vida pecaminosa (Romanos 8:15, 2 Tm. 1:7; Heb. 2:14, 15), e dos hábitos viciosos que escravizou (Efésios 4:17-24 ; 1 Tessalonicenses. 4:3-8, Tito 2:11-3:6). A salvação traz não apenas uma promessa de plenitude espiritual e de paz, mas também de cura física (Mateus 9:21, 22, Marcos 10:52 e nota de texto, Tiago 5:15). Embora os cristãos já receberam a salvação, eles vão experimentar os benefícios da salvação na sua plenitude quando Cristo retorna no final da época (Hb 9:28, 1 Pet. 1:3-5). A salvação é realizada através do que Cristo fez na história e por aquilo que Ele continua a fazer em crentes pelo Espírito Santo. A base para a nossa salvação é a morte de Jesus na cruz (ver "A Expiação" em Rom. 3:25) e da justiça Ele conseguiu para nós em Sua obediência ativa. É realizado em nossas vidas como Cristo vive em nós (João 15:4; 17:26; Col. 1:27) e nós vivemos em Cristo, unidos com Ele na Sua morte e ressuscitado vida (Rm 6:3-10 ; Col. 2:12, 20; 3:1). Esta união vital, sustentada pelo Espírito através da fé e formado em nosso novo nascimento, pressupõe a nossa eterna eleição em Cristo (Ef 1:4-6). Jesus foi preordenado para nos representar e para suportar os nossos pecados, como nosso substituto (1 Ped. 1:18-20; cf. Matt. 1:21). Nós fomos escolhidos para ser eficazmente chamado, conforme à sua imagem, e glorificado pelo poder do Espírito (Rm 8:11, 29, 30).
    13. Em quem vocês - gentios. Da mesma forma acreditava, depois de vos ter ouvido o evangelho - que Deus fez os meios de sua salvação, em quem tinham acreditado depois de vós - Provavelmente, algum tempo após a sua crença em primeiro lugar. Fostes selados com o Espírito Santo da promessa - Santo, tanto em sua natureza e em suas operações, e prometeu a todos os filhos de Deus. A vedação parece implicar, 1. A impressão completa da imagem de Deus em suas almas. 2. A plena certeza de receber todas as promessas, quer se trate do tempo ou a eternidade.
14 - que é o penhor da nossa herança, enquanto esperamos a completa redenção daqueles que Deus adquiriu para o louvor da sua glória.
    1:14 garantia. O Espírito não é apenas um cumprimento da promessa de Deus para habitar o Seu povo, mas também é uma garantia de que Ele irá levá-los às suas herança final. Como um pré-pagamento ou primeira parcela em sua redenção total, o Espírito é uma antecipação da glória do mundo vindouro "(Romanos 8:18-23).
    < posse b> comprado. O Antigo Testamento ensina que Deus escolheu um povo como sua herança (Dt 32:9; Ps. 33:12) e comprou-os para fora da escravidão para tornar-se uma possessão (Êxodo 19:5; Deut. 7:6). Pedro concorda com a aplicação marcante Paulo desta idéia para os gentios, bem como para os judeus (1 Ped. 2:9).
    14. Quem, selando nós, é um fervoroso - Tanto uma promessa e um antegozo de nossa herança. Até a redenção da possessão - Até a igreja, que ele comprou com seu próprio sangue, devem ser entregues a partir de todo o pecado e tristeza, e avançou para a glória eterna. Para o louvor da sua glória - glória da sua sabedoria, poder e misericórdia.
15 - Por isso também eu, tendo ouvido falar da vossa fé no Senhor Jesus, e do amor para com todos os cristãos,
    Data 1:15 depois que eu ouvi. Veja Introdução: e ocasião. Paul havia ministrado em Éfeso durante dois anos, mas o tempo de escrita pode ser algo como cinco anos depois. A igreja havia crescido consideravelmente desde então. Pode ser que Paulo menciona pessoas cuja fé e amor que ele conhece apenas pelo relatório, porque foi Efésios uma carta circular para várias igrejas.
    15. Desde que eu ouvi falar de sua fé e amor - isto é, da sua perseverança e aumentar aí.
16 - não cesso de dar graças a Deus por vós, lembrando-me de vós nas minhas orações.
    16. Eu não deixam - Em todos os meus endereços solene a Deus. Para dar graças por vós, fazendo menção de vós nas minhas orações - Então, ele fez de todas as igrejas, Col. I, 9.
17 - Rogo ao Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê um espírito de sabedoria que vos revele o conhecimento dele;
    1:17 sabedoria e de revelação. Veja "Iluminação e Conviction" em 1 Coríntios. 2:10. Iluminação e iluminação e conhecimento cristãos condenação "das coisas divinas é mais do que um conhecimento de palavras bíblicas e idéias teológicas. É uma compreensão da realidade ea relevância das obras de Deus testemunhada pela Escritura. O "homem natural" (1 Coríntios. 2:14) que não tem o Espírito, embora familiarizado com as idéias cristãs, ainda não tem essa compreensão mais profunda, e é como os líderes cegos de cegos (Mt 15:14). Somente o Espírito Santo, que busca "as coisas profundas de Deus" (1 Coríntios. 2:10), pode trazer essa compreensão para mentes e corações escurecidos pelo pecado. É chamado de um entendimento espiritual "porque ele é um entendimento dado pelo Espírito Santo (Cl 1:9; cf. Luke 24:25; 1 João 5:20). Aqueles que, junto com a instrução correta das Escrituras, "tem uma unção do Santo ... sabe todas as coisas" (1 João 2:20). O trabalho do Espírito em transmitir essa compreensão é chamado de "iluminação", ou esclarecedora. Não se trata de uma concessão de nova revelação, mas um trabalho dentro de nós que nos permite compreender e afirmar a revelação da Bíblia, como se lê, pregado e ensinado. Sin nuvens nossas mentes e vontades para que perder e resistir à força da Escritura. O Espírito, entretanto, se abre e revela as nossas mentes e sintoniza nossos corações para que possamos compreender o que Deus revelou (2 Coríntios. 3:14-16; 4:6; Ef. 1:17, 18; 3:18, 19) . Iluminação é a aplicação da verdade revelada de Deus aos nossos corações, para que possamos compreender como a realidade para nós o que o texto sagrado diz. Teólogos protestantes logo após a Reforma falou de iluminação como um ato de graça que procede em duas etapas. A primeira etapa da iluminação ocorre quando um encontra o ministério da Palavra. Esta iluminação externa de uma pessoa se prepara para a segunda fase, o ministério interno do Espírito Santo que conduz à salvação. O Espírito fala através da lei, uma pessoa que convence do pecado, e do evangelho, que transmite o conhecimento da graça de Deus e do perdão (cf. Lc 1:79). É através da iluminação do Espírito que o ministério da Palavra transmite a chamada eficaz para a salvação.
    17. Que o pai do que a glória infinita que brilha no rosto de Cristo, de quem também recebemos a herança gloriosa, ver. 18, pode dar-lhe o Espírito de sabedoria e de revelação - O mesmo que é o Espírito da promessa é também, para o progresso dos fiéis, o Espírito de sabedoria e de revelação, tornar sábios para a salvação, e revelando-lhes as coisas profundas de Deus. Ele está aqui falando do que sabedoria e de revelação que são comuns a todos os verdadeiros cristãos.
18 - que ilumine os olhos do vosso coração, para que compreendais a que esperança fostes chamados, quão rica e gloriosa é a herança que ele reserva aos santos,
    18. Os olhos de seu entendimento - É com estes que só podemos discernir as coisas de Deus. Ser aberto pela primeira vez e, em seguida iluminado - por seu Espírito. Para que saibais qual seja a esperança da sua vocação - que vos experimentalmente e deliciosamente saber quais são as bênçãos que Deus tem chamado você para esperar por sua palavra e seu Espírito. E quais são as riquezas da glória da sua herança nos santos - Que imenso tesouro de bem-aventurança, tem fornecido como uma herança para as almas santas.
19 - e qual a suprema grandeza de seu poder para conosco, que abraçamos a fé. É o mesmo poder extraordinário que
    19. E qual a suprema grandeza do seu poder para com os que acreditam - tanto em aceleração nossas almas mortas, e preservá-los na vida espiritual. De acordo com o poder que ele exerceu em Cristo, ressuscitando-o dos mortos - Pelo mesmo poder todo-poderoso pelo qual ele ressuscitou a Cristo, pois nada menos seria suficiente.
20 - ele manifestou na pessoa de Cristo, ressuscitando-o dos mortos e fazendo-o sentar à sua direita no céu,
    1:20 Ele sentado ... nos lugares celestiais. Veja "A Ascensão de Jesus" em Lucas 24:51.
    20. E ele sentar-se à sua direita - Isto é, ele se exaltou em sua natureza humana, como uma recompensa para seus sofrimentos, para a posse tranquila e eterna bem-aventurança de todos os possíveis, majestade e glória.
21 - acima de todo principado, potestade, virtude, dominação e de todo nome que possa haver neste mundo como no futuro.
    1:21 acima de todo principado e poder. Veja 3:10 nota.
    esta idade ... o que está por vir. Veja 1 Coríntios. 15:24.
    21. Muito acima de todo principado, e poder, e força, domínio e - isto é, Deus, ele investiu com autoridade incontrolável sobre todos os demônios no inferno, todos os anjos no céu, e todos os príncipes e potentados da terra. E cada nome que é chamado - Sabemos que o rei está acima de tudo, porém não podemos nomear todos os oficiais da sua corte. Então, nós sabemos que Cristo está acima de tudo, embora não sejamos capazes de nomear todos os seus súditos. Não só neste mundo, mas também no que está por vir - O mundo está a entrar assim denominado, não porque ainda não existe, mas porque ainda não é visível. Principados e potestades são chamados agora, mas também aqueles que nem sequer são nomeados neste mundo, mas deve ser revelada em todo o mundo para vir, são todos sujeitos a Cristo.
22 - E sujeitou a seus pés todas as coisas, e o constituiu chefe supremo da Igreja,
    22. E ele lhe deu para ser cabeça sobre todas as coisas para a igreja - uma cabeça tanto de orientação e de governo, e também de vida e influência, para o todo e cada membro dela. Todos esses estão na próxima união com ele, e tem como contínua e eficaz a comunicação da atividade, o crescimento ea força dele, como o corpo natural da sua cabeça.
23 - que é o seu corpo, o receptáculo daquele que enche todas as coisas sob todos os aspectos.
    23. A plenitude daquele que cumpre tudo em todos - É difícil dizer em que sentido isso pode ser dito da igreja, mas o sentido é fácil e natural, se referem a Cristo, que é a plenitude do Pai. http://www.ccel.org/ccel/wesley otes.i.xi.ii.html




Untitled Document

Velho Testamento


Gênesis I Samuel Ester Lamentações Miquéias
Êxodo II Samuel Ezequiel Naum
Levítico I Reis Salmos Daniel Habacuque
Números II Reis Provérbios Oséias Sofonias
Deuteronômio I Crônicas Eclesiastes Joel Ageu
Josué II Crônicas Cânticos Amós Zacarias
Juízes Esdras Isaías Obadias Malaquias
Rute Neemias Jeremias Jonas


Novo Testamento


Mateus I Corintios I Tessalonicenses Filemom I João
Marcos II Corintios II Tessalonicenses Hebreus II João
Lucas Gálatas I Timóteo Tiago III João
João Efésios II Timóteo I Pedro Judas
Atos Filipenses Tito II Pedro Apocalipse
Romanos Colossenses